top of page
Buscar

Uso de novas tecnologias na gestão pública promovem desburocratização de processos e mais eficiência



Não é possível falar de futuro sem pensar soluções inovadoras para a gestão pública. É do lado de dentro que podemos melhorar os processos para realizar ações de forma mais ágil e eficiente do lado de fora.

O eixo Gestão e Inovação do projeto Santo André 500 Anos vem de encontro com a necessidade de desburocratizar a gestão municipal, criando soluções para a administração pública, promovendo transparência, uso de novas tecnologias, modernização e atualização das leis municipais, agilidade de processos, adoção de modelos e ferramentas inovadoras de gestão da cidade a fim de conquistar mais eficiência da máquina pública, valorização do servidor, desenvolvimento da economia e conectividade.

A inovação na forma de gerir a cidade começa pelos processos internos. É a partir disto que podemos implementar soluções eficientes para a todas as áreas de desenvolvimento do município.

O uso de novas tecnologias também traz economia e mais eficiência no atendimento aos munícipes, suas necessidades e aos serviços prestados pela gestão pública, promovendo entre outras coisas a sustentabilidade de recursos naturais, economia nos cofres públicos e transparência no processo.

A gestão do Prefeito Paulo Serra tem investido em inovação desde o início, em 2017, tanto nos processos internos quanto nas ações realizadas na cidade. O Programa Banho de Luz, por exemplo, promove a modernização da iluminação pública com a substituição das luminárias para LED, proporcionando mais luminosidade, menos gasto com energia e, consequentemente, maior economia. Até o momento 60% das lâmpadas do município foram substituídas. O montante corresponde a 60,4% do total e a meta é chegar a 100% em 2024.

Outra medida inédita em Santo André são as Usinas Fotovoltaicas. Com início das obras em março de 2023, Santo André terá a maior usina municipal de energia solar do País. Serão ao todo quatro unidades instaladas na cidade que, juntas, terão capacidade para gerar 517.787 kWh (quilowatts-hora) de energia elétrica por mês.

A vida útil plena estimada para as usinas fotovoltaicas é de 30 anos. Os sete primeiros anos serão dedicados ao pagamento do investimento. Para os outros 23 anos a estimativa de economia da administração pública andreense é de R$ 138 milhões.

No total, serão 8.820 painéis, cada um com capacidade de gerar 560 Wp (Watt-pico). A área total das quatro unidades somadas é de 56 mil metros quadrados, enquanto a área de placas construídas é de 22.614 metros quadrados. A estimativa é que quatro toneladas de CO2 (dióxido de carbono) deixem de ser emitidas por ano.

A iniciativa contempla um dos pontos do Plano de Metas, que integra o programa Santo André 500 anos, em conformidade com os objetivos de desenvolvimento sustentável do país, fomentando o uso de energias renováveis e combatendo a emissão de gases que contribuem para o efeito estufa.

Iniciativa inovadora, o Siga (Sistema de Informações Geográficas Andreense) é uma plataforma que concentra diversos dados georreferenciados oficiais do município. O objetivo é facilitar o acesso a informações sobre a cidade para o uso da administração pública, centros de pesquisa, universidades, imprensa e população em geral. A plataforma contém cerca de 208 camadas de informação para consulta, divididas em 23 temas.

Santo André também é cidade parceira do programa Waze For Cities, do aplicativo Waze, que permite que a Prefeitura compartilhe dados que ajudem no planejamento da cidade. Por meio da parceria, a gestão municipal tem acesso a ferramentas para informar sobre interdições na via, trânsito incomum, quais vias tem feira-livre e os dias e períodos de interdições, entre outros.

Opmerkingen


bottom of page