areal-shot-of-crossing-streets.jpg

As vias urbanas são parte vital das cidades e proporcionam a oportunidade de convivência entre todos que nela passam. Todas as pessoas, independentemente da idade, habilidade ou renda, devem ter acesso seguro, confortável e conveniente aos seus destinos, seja caminhando, pedalando, utilizando transporte coletivo ou dirigindo.

logo_ruascompletas2.png

Quero conhecer!

As vantagens de morar numa grande cidade estão relacionadas à existência de maiores oportunidades de emprego e oferta de serviços. Já as desvantagens estão ligadas ao estresse causado por congestionamentos, às ilhas de calor e à poluição nas ruas e no ar.

 

O conceito de Ruas Completas propõe repensar o desenho viário do último século – e ainda em prática no Brasil –, baseado em soluções para o tráfego de veículos e não para o uso das pessoas. Integrar o planejamento urbano à mobilidade torna os projetos, a construção e a operação das redes de transporte mais eficientes e seguras. Isso ajuda a desenvolver a economia local, abre espaço para a mobilidade ativa e traz benefícios para o meio ambiente.

 

A RUA SE TORNA MAIS COMPLETA QUANDO ATENDE SUAS VOCAÇÕES COMO ESPAÇO PÚBLICO DE CONVIVÊNCIA E COMO VIA DE MOVIMENTAÇÃO SEGURA PARA TODOS.

 
FOTO 01.JPG

São Paulo

Estação Berrini, da CPTM, recebeu intervenções nas ruas de seu entorno utilizando o conceito de Ruas Completas
(Foto: Pedro Mascaro/WRI Brasil)

FOTO 02.JPG

Porto Alegre

Intervenção e urbanismo tático em cruzamento da Rua
João Alfredo, na Cidade Baixa, em POA
(Foto: Daniel Kener Neto/WRI Brasil)

CONCEITO E IMPLANTAÇÃO

Como os projetos são implementados?

A criação de uma rua completa envolve muito mais do que simplesmente tirar espaço dos carros e criar calçadas mais largas. É fundamental realizar um estudo aprofundado para entender os usos daquele local e quais intervenções são necessárias para privilegiá-los. Portanto, não existe um único modelo de rua completa.

 

Uma vez que os especialistas descubram a chamada “vocação da rua”, é possível realizar uma infinidade de obras de infraestrutura para requalificar a via. Pode-se adotar calçadas mais largas, áreas reservadas para pedestres, pontos de travessia segura ou elevada, implantação de paisagismo e mobiliário urbano que privilegie a convivência (como bancos). Os cruzamentos entre vias também podem ser remodelados, com o uso de rotatórias e medidas para diminuir a velocidade de circulação dos carros, como a implantação de lombadas e chicanes (curvas artificiais).

 

Naturalmente, os carros podem acabar perdendo muito do espaço que tinham no modelo anterior. Mas muitas pessoas também podem deixar de utilizá-los, tornando o trânsito mais eficiente para todos.

 

A implementação do conceito de Ruas Completas também prevê intervenções de urbanismo tático, engajamento comunitário da sociedade e a participação dos moradores do entorno com o objetivo de identificar demandas que possam ser validadas pela população e ajustadas pela equipe técnica. Antes do investimento em um projeto final e permanente, para evitar risco de não ser bem recebido pela população caso seja feito de uma só vez.

WhatsApp Image 2022-03-08 at 14.40.43.jpeg
WhatsApp Image 2022-03-08 at 14.40.43.jpeg
WhatsApp Image 2022-03-08 at 14.40.43.jpeg

A Rede Ruas Completas SP é uma iniciativa do WRI Brasil, Vital Strategies, Frente Nacional de Prefeitos (FNP), Instituto Cordial, Iniciativa Bloomberg para Segurança Global no Trânsito e Programa Respeito à Vida (Detran-SP), do Governo do Estado de São Paulo.

Santo André faz parte da Rede Ruas Completas SP, que oferece apoio a projetos para reduzir mortes e lesões no trânsito.

Em 2021, as cidades que integram a rede foram convidadas para participar da chamada de Urbanismo Tático para implementar projetos de segurança viária que colaborem na redução das mortes causadas por sinistros de trânsito. Santo André ficou em 3º lugar com o projeto de intervenção na Rua Carijós, na Vila Linda.

O trabalho em rede permite às cidades compartilhar soluções e experiências. Ao dividirem processos e aprendizados, podem avançar juntas. Cada uma das 20 cidades teve apoio específico em uma ação de segurança viária, que incluiu, por exemplo, a elaboração de planos e estratégias, ou a criação de projetos de intervenção urbana. A rede também ofereceu atividades de capacitação abertas a técnicos onde o programa Respeito à Vida está presente.